paulo ferreira

Senadores elogiam decisão judicial que revisou sentença de Moro

Vítima de perseguição de supostas “investigações” da Operação Abismo, ligada à Lava Jato, Ferreira ficou preso por mais de seis meses, após ser condenado por Sérgio Moro, que o acusou sem provas de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa
:: Rafael Noronha27 de agosto de 2020 10:51

Senadores elogiam decisão judicial que revisou sentença de Moro

:: Rafael Noronha27 de agosto de 2020

“Precisamos reconhecer a gravidade do desgaste provocado pelo ex-juiz Sergio Moro à justiça brasileira e à vida das pessoas envolvidas nos processos em ele que atuou. O desrespeito às leis e a parcialidade se tornam marcas na atuação dele. É urgente a revisão de todas as decisões”. Assim reagiu o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE) à decisão do TRF-4 que, nessa quarta-feira (26), decretou a inocência de Paulo Ferreira, ex-tesoureiro do PT nas acusações de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Ele foi condenado pelo então juiz Sergio Moro, em primeira instância e sem provas, a nove anos e 10 meses de prisão.

Vítima de perseguição de supostas “investigações” da Operação Abismo, ligada à Lava Jato, Ferreira ficou preso por mais seis meses. A decisão que derrubou a sentença de Moro foi tomada pelos desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional da 4ª Região por unanimidade.

“Moro sempre agiu com interesses políticos contra Lula e o PT. O juiz os via como adversários e jamais julgou com a imparcialidade que o cargo exige. Hoje, finalmente, começa a colher o que plantou. Que todas as suas sentenças sejam devidamente anuladas”, disse o senador Humberto Costa (PT-PE).

O efeito dominó que vem derrubando por terra manobras que resultaram em julgamentos políticos e condenações sem provas reparou mais um ato de injustiça história contra o PT na semana passada, quando a 3ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região extinguiu a pena de José Genoíno e Delúbio Soares por falsidade ideológica, no caso do “mensalão”.

Com informações da Agência PT de Notícias

Leia também