#LulaLivre

Senadores participam do 1º de Maio em Curitiba e em seus estados

Dirigentes da sete centrais sindicais – CUT , CTB, CSB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT — também participarão do ato em Curitiba
:: Cyntia Campos30 de abril de 2018 17:18

Senadores participam do 1º de Maio em Curitiba e em seus estados

:: Cyntia Campos30 de abril de 2018

Os nove senadores do PT participarão ativamente das comemorações do Dia do Trabalhador e da Trabalhadora. Gleisi Hoffmann (PR), presidenta nacional do PT, e o líder da Bancada, Lindbergh Farias (RJ) já estão em Curitiba, onde vão se juntar à celebração unificada do 1º de Maio — numa decisão histórica, esta será a primeira vez que as sete centrais sindicais estarão unidas nas mesmas atividades, em todo o País.

Já Fátima Bezerrra (PT-RN), Humberto Costa (PT-PE), líder da Oposição no Senado, Jorge Viana (PT-AC), José Pimentel (PT-CE), Paulo Paim (PT-RS), Paulo Rocha (PT-PA) e Regina Sousa (PT-PI) participarão das comemorações do 1º de Maio em seus estados.

Celebração histórica
Em Curitiba, as atividades começam cedo, às 7 horas da manhã, com uma concentração no Terminal de ônibus Boa Vista, no bairro de Bacacheri. Às 8h, os manifestantes seguem numa caminhada de cerca de 2,5 km para se juntarem ao Bom Dia, Lula, em frente à sede da Polícia Federal, no bairro vizinho de Santa Cândida, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso a 20 dias.

O grande ato do 1º de Maio em Curitiba está marcado para as 14 horas, na Praça Santos Andrade, no Centro, que deverá reunir lideranças políticas e militantes de todo o País, que continuam a chegar em caravanas à capital paranaense. A eles se juntam as caravanas solidárias vindas da Argentina, Bolívia, Paraguai e Venezuela.

Dirigentes da sete centrais sindicais – CUT , CTB, CSB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT—também participarão do ato em Curitiba. Artistas como Bete Carvalho, Ana Cañas e Maria Gadu já confirmaram presença no show que fará parte da programação.

Nesta segunda-feira, a partir das 18h horas, já é esperada grande concentração na mesma Praça Santos Andrade para acompanhar as exibições da Mostra de Cinema pela Democracia, que começa hoje com o premiado filme O Processo, de Maria Augusta Ramos, retratando os bastidores do impeachment de Dilma Rousseff.

Solidariedade
“Vamos fazer o maior primeiro de maio dos últimos anos!”, avalia o líder do PT, senador Lindbergh Farias. Ele já está em Curitiba e, na noite de sábado (28) para domingo (28), passou a noite em uma barraca do Acampamento Marisa Letícia, próximo à sede da Polícia Federal. Foi uma demonstração de solidariedade aos acampados, que madrugada de sábado sofreram um atentado com arma de fogo.

Mais de 20 tiros foram disparados de armas calibre 9 milímetros—privativas das Forças Armadas e PF. Dois militantes ficaram feridos, um deles, Jefferson Lima de Menezes, foi baleado no pescoço e precisou ser hospitalizado em uma UTI.

“Passar a noite no acampamento, ao lado da brava militância que resiste aqui na vigília pela liberdade do presidente Lula, foi uma necessidade. Era fundamental ter um parlamentar presente para dar apoio às pessoas que estavam lá”, explicou Lindbergh, para quem o atentado só reforça a importância de fortalecer a ocupação. “Estou senador por uma circunstância, mas sou um militante de esquerda, das causas populares e da luta democrática”, ressalta ele, para quem estranha um detentor de mandato parlamentar ocupando uma pequena barraca que mal comportava seus quase 1,90m de altura.

Repercussão internacional
Gleisi Hoffmann também já está em Curitiba, retornando de uma viagem ao Chile onde teve a oportunidade de testemunhar a repercussão da prisão política de Lula e a solidariedade do campo progressista daquele país ao PT e ao ex-presidente.

Gleisi visitou o Congresso Nacional, reuniu-se com a Juventud Socialista de Chile, e acompanhou uma homenagem à ex-presidenta Michele Bachelet foi homenageada. “Agradeço muito o carinho e a recepção da Juventud Socialista, por acreditar na nossa luta e na luta do povo brasileiro pela liberdade de Lula”, escreveu ela em uma postagem do Facebook.

Gleisi também comentou a reportagem do prestigiado jornal britânico The Guardian sobre o atentado ao Acampamento Marisa Letícia. O periódico aponta “um aumento no número de assassinatos de políticos, trabalhadores rurais, ativistas do meio-ambiente e lideranças” em meio à crise política e econômica atravessada pelo Brasil. “O recente assassinato de Marielle Franco, uma vereadora do Rio de Janeiro, foi um dos casos mais chocantes e emblemáticos”, ressalta The Guardian.

“Aos olhos do mundo, não restam dúvidas sobre o que se passa no Brasil”, avalia Gleisi. “Vamos continuar denunciando e mostrando a verdade sobre a crise e a série de retrocessos que este golpe causou. O Brasil não pode ir em direção ao abismo por conta da vaidade e ganância de uma minoria rica”.

Leia também