Patrimônio Nacional

STF retoma julgamento que pode salvar refinarias da Petrobras

Senador Jean Paul Prates (PT-RN), da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras, alerta que Bolsonaro está cometendo um crime contra o país: “É urgente reagir ao pandemônio econômico, antes que essa política desastrada de Paulo Guedes arruine mais patrimônio público. Precisamos salvar nossas estatais e demais recursos estratégicos”
:: Agência PT de Notícias1 de outubro de 2020 09:09

STF retoma julgamento que pode salvar refinarias da Petrobras

:: Agência PT de Notícias1 de outubro de 2020

O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou nessa quarta-feira, 30 de setembro, o julgamento da ação do Congresso para impedir a venda de refinarias da Petrobras sem licitação ou aval do Legislativo. O governo entreguista de Jair Bolsonaro planeja privatizar oito refinarias da empresa, que integram uma lista de ativos para desinvestimento. Por orientação do ministro da Economia, Paulo Guedes, Bolsonaro se submete aos caprichos do mercado e coloca na bacia das almas refinarias construídas pela empresa ao longo da sua história. Tudo para quebrar a empresa petrolífera e entregar seus pedaços ao mercado, comprometendo a soberania nacional.

O presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras, senador Jean Paul Prates (RN) acredita que a Corte pode barrar a sanha entreguista de Bolsonaro. “É urgente reagir ao pandemônio econômico, antes que essa política desastrada de Paulo Guedes arruine mais patrimônio público”, adverte. “Precisamos salvar a Petrobras, a Eletrobras e demais recursos estratégicos”. Ele critica duramente Guedes. “Um país do porte do Brasil não pode ficar à mercê da ortodoxia estreita que orienta a atual gestão econômica”. E ressalta: “Ele está perdido no tempo e no espaço”.

Até agora, três integrantes do STF se manifestaram por meio do plenário virtual: o relator do caso, ministro Edson Fachin, além de Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello. Todos foram favorável a concessão de liminar para suspender as privatizações. O caso foi protocolado em julho pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

As mesas das duas casas legislativas sustentam que a constituição de subsidiárias, a partir de desmembramentos da empresa-matriz, com a finalidade única de alienação do controle acionário, caracteriza desvio de finalidade, e é prática proibida e inconstitucional, quando não for orientada por novas oportunidades de negócios, mas pelo interesse na alienação de ativos, com a possibilidade de conduzir a “privatizações brancas”, sem autorização do Congresso.

Desprezam a missão da estatal
A Petrobras pretende se desfazer de metade do seu parque de refino a preço vil. Uma das primeiras joias das coroas a serem entregues é a Refinaria Landulpho Alves, criada em 1950 na Bahia,  e colocada à venda pela estatal sem justificativa. A Rlam é responsável 30% da produção total de óleo combustível no país, incluindo o chamado bunker. O governo pretende vendê-la por R$  menos de R$ 7 bilhões. “A missão da Petrobras é abastecer o Brasil, é chegar aonde for necessário – não apenas onde esteja o lucro”, critica Jean Paul. “Deixar a maior parte do país desassistida é um atentado contra essa missão, que está estabelecida em lei”.

Outras sete refinarias na lista de presentes da diretoria da estatal são Abreu e Lima (PE), Unidade de Industrialização do Xisto, Gabriel Passos (REGAP), Presidente Getúlio Vargas (REPAR), Alberto Pasqualini (REFAP), Isaac Sabbá (REMAN) e Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (LUBNOR).

Jean Paul denuncia a manobra do governo para vender a preço de banana as refinarias. “A ideia de concentrar a atuação da Petrobras no Sudeste e no pré-sal baseia-se na concepção equivocada de que a empresa deve atender, primordialmente, seus acionistas, como se não fosse ela uma estatal e uma ferramenta estratégica para o  desenvolvimento do país”, denuncia. “Estatais são construídas com o esforço de gerações de um povo para cumprir missões essenciais”.

Confira a íntegra da matéria

Leia também