ARTIGO

Um antídoto ao bolsonavírus

Em texto publicado na revista Carta Capital, Paulo Rocha afirma que o governo mostra-se incapaz de enfrentar a crise econômica e política
:: Senador Paulo Rocha16 de março de 2020 19:32

Um antídoto ao bolsonavírus

:: Senador Paulo Rocha16 de março de 2020

O abjeto da política e o abjeto na política não surgiram por geração espontânea. Tampouco caíram do céu. Eles têm origem concreta. As declarações abjetas que emanam do “chiqueirinho” do Palácio da Alvorada e das milicianas redes sociais surgem da crescente fragilização da democracia. O abjeto da política e o abjeto na política são sintomas e efeitos dessa fragilização. E tal fragilização vem de longe.

O processo de decomposição da nossa democracia começou quando instituições que são pilares da República, como procuradorias, tribunais, Parlamento etc., abandonaram o decoro profissional e a liturgia republicana para investir na construção de um discurso de ódio extremado contra o governo do PT e seu projeto de inclusão das classes populares. O PT deixou de ser um do PT e seu projeto de inclusão das classes populares. O PT deixou de ser um mero adversário democrático para ser um inimigo que precisava ser destruído a qualquer custo. Esse objetivo extremo acabou comprometendo o pacto democrático fundado na Constituição de 1988.

Com a quarta derrota consecutiva dos então opositores nas eleições presidenciais, a fragilização da democracia brasileira ganhou força inesperada. O resultado das urnas não foi aceito e iniciou-se a vertigem antidemocrática. Novamente, instituições que deveriam proteger o sistema, como o TCU, o Parlamento, o STF, o Ministério Público, empenharam-se numa lamentável ópera-bufa do impeachment sem crime de responsabilidade.

Após esse processo desavergonhado, tudo se tornou permitido, como diria Dostoievski. Com o intuito de prosseguir com o trabalho sujo, procuradores oriundos da massa cheirosa abandonaram inconvenientes decoras e liturgias para promover um feroz lawfare contra o ex-presidente Lula, hoje devidamente desmascarada pela chamada Vaza Jato, obra de um grande jornalista, perseguido e ameaçado pelo governo Bolsonaro.

Com o intuito de terminar o trabalho, até gente que hoje fica, com toda razão, indignada com o abjeto, com Jair Bolsonaro, deu apoio à sua candidatura contra Fernando Haddad. Mesmo sabendo perfeitamente do caráter odioso e da natureza abjeta do ex-capitão, que sempre foi misógino, racista e um dedicado defensor de ditaduras e torturadores, apoiaram a ascensão ao poder de um notório crápula, que, em condições normais de temperatura e pressão, jamais teria passado de um obscuro deputado do baixo clero.

Pensavam, creio, que poderiam controlá-lo e domesticá-lo. Vê-se, agora, ser impossível. Não se controla um fascistoide, ainda mais um acuado por sérias denúncias de corrupção e de ligação com “escritórios do crime”. Bolsonaro, não se enganem, sonha em acabar de vez com o que restou da democracia brasileira. Sonha com o nosso pesadelo. Não quer diálogo, não quer conciliação. Quer se impor pelas agressões e pelo confronto. Não quer governar para todos os brasileiros, quer governar para sua claque digital. Todos os dias, agride de forma baixa e grosseira jornalistas, opositores e críticos de seu governo. Há pouco, deu-se ao desplante de levar um palhaço a tiracolo para insultar jornalistas e impedi-los de fazer perguntas sobre o “pibinho” de 2019. O problema foi que ninguém conseguiu distinguir o palhaço do presidente.

Além disso, ele ameaça reiteradamente as instituições com a volta do Al-5 e da ditadura. Cerca-se de militares, alguns deles ideólogos extremados, como o general Augusto Heleno, ex-ajudante de ordens do general Sylvio Frota e um dos incentivadores das ameaças ao Congresso. Agora mesmo, comete crime de responsabilidade ao convocar, para o dia 15, manifestações contra o Parlamento e o Supremo Tribunal Federal.

Pior: o presidente da República comete esse crime tresloucado num momento em que a economia brasileira derrete. No ano passado, houve recorde histórico de saída de capitais e o Brasil cresceu meros 1, 1 %. Na prática, estagnação. O bolsonavírus afugentou os investidores com sua incompetência, seu autoritarismo e suas bravatas. Neste ano, com o coronavírus a estourar as bolhas especulativas no mundo, a fuga de capitais, em apenas dois meses, igualou-se à saída de todo o ano passado. O Brasil só não quebrou ainda graças às reservas que os governos do PT conseguiram acumular para o País.

A economia brasileira está em grave crise, o mundo ameaça entrar em uma recessão semelhante àquela de 2008, e Bolsonaro, como um palhaço irresponsável, brinca de acabar com a democracia brasileira e de provocar crise institucional séria.

Felizmente, Inês, a nossa democracia, não é morta, embora ande respirando por aparelhos. Enquanto houver jornalistas como Patrícia Campos Mello, ela respirará e sobreviverá. Mas passou da hora de as instituições reagirem contra esta séria ameaça. Não interessam eventuais erros do passado. O que interessa, nesta quadra terrível, é o futuro (comprometido) do nosso frágil e ameaçado Brasil. Não interessa saber como o abjeto da política e o abjeto na política surgiram. Interessa enterrá-los. E enfrentar a crise. Poderá ser um belo recomeço.

Texto publicado originalmente na revista Carta Capital do dia 13/03/2020.

Leia também