Vereadores petistas

Municípios cobram investimentos contra crise e desemprego

As pessoas já estão recorrendo aos vereadores em busca de cestas básicas, o que não acontecia há muitos anos
:: Alessandra Gondim24 de abril de 2019 09:40

Municípios cobram investimentos contra crise e desemprego

:: Alessandra Gondim24 de abril de 2019

Vereadores petistas de todo o país se reuniram nesta terça-feira (23), em Brasília, para debater a conjuntura política, a preparação para as eleições municipais de 2020 e a reforma da Previdência.  A retomada do diálogo com as bases e a aproximação com os municípios  foram as principais reivindicações dos participantes do encontro. O  PT tem 2800 vereadores em todos os estados brasileiros.

Durante o evento, o líder da bancada no Senado, Humberto Costa (PE), avaliou que o PT saiu vencedor das últimas eleições por ter feito a maior bancada da Câmara e 44% dos votos para a presidência da República. Ele definiu como prioridades da sigla, o enfrentamento da reforma da Previdência e a libertação do ex-presidente Lula. No âmbito municipal, o foco são as eleições de 2020 visando aumentar a base do partido nas cidades.

Sobre a reforma da Previdência, o líder ressaltou que o projeto do governo não visa resolver um problema de déficit nas contas públicas. “É claro que a Pasta precisa de ajustes, de forma que ela esteja adaptada com o envelhecimento da população, mas não dá para tratar desse tema  apenas como despesa e cobrar somente dos mais pobres. Não há uma única menção no projeto da reforma que trate da sonegação fiscal, da contribuição líquida dos bancos ou de cobrar mais dos mais ricos”, argumentou.

A retomada do crescimento, a geração de empregos, a ampliação da contribuição dos trabalhadores formais, seriam as medidas imediatas a serem adotadas pelo PT como forma de resolver problemas da Previdência, segundo Humberto. “Desempregados não contribuem para a Previdência e o governo não fala em gerar empregos. Além disso, mexer no Benefício da Prestação Continuada (BPC), no salário mínimo, no tempo da aposentadoria, é fazer com que os mais pobres paguem por um desequilíbrio que não foram eles que criaram”.

Entre os vereadores, também houve consenso quanto ao enfrentamento à reforma da Previdência, e à maior atuação do partido junto aos municípios. Para  Jaciara Teixeira, vereadora do município de São Mateus (ES), com 128 mil habitantes, a população ainda não entendeu a proposta do governo. “Muitos não percebem que seus direitos estão sendo retirados. Já solicitei audiência pública para trazer esse debate para mais perto do povo, o partido precisa falar mais com as pessoas sobre essa reforma”.

Na visão da Vereadora, Juliana Cardoso, que está no terceiro mandato pela cidade de São Paulo (SP), a população já está sofrendo com a eleição de Bolsonaro. “As pessoas estão indo ao meu gabinete pedir cestas básicas, coisa que não acontecia há muitos anos. Antes, elas nos procuravam para pedir emprego, mas agora pedem comida. É um total retrocesso o que está acontecendo no Brasil”.

O encontro foi  organizado pela Secretaria Nacional de Assuntos Institucionais do PT (Snai) e aconteceu no primeiro dia da marcha anual de vereadores a Brasília.

Leia também