Wellington comemora Dia Nacional do Sistema Braille

Líder do PT defendeu votação do Estatuto da Pessoa com Deficiência em tramitação no Congresso.

:: Da redação8 de abril de 2013 21:51

Wellington comemora Dia Nacional do Sistema Braille

:: Da redação8 de abril de 2013

Senadores do PT participa de homenagem
ao Dia Nacional do Sistema Braille

O líder do PT, Wellington Dias (PI), os petistas Paulo Paim (RS) e Jorge Viana (AC), além do senador Gim Argello (PTB-DF) estiveram, nesta segunda-feira (08), com o presidente do Senado, Renan Calheiros, (PMDB-AL) para homenagear o Dia Nacional do Sistema Braille. Wellington aproveitou para falar sobre a importância de o Congresso aprovar, ainda neste semestre, o Estatuto da Pessoa Com Deficiência.

“Espero, que em todos os blocos aqui no Congresso Nacional, nesse caso na Câmara, haja determinação para que o País tenha essa consolidação da legislação, dos direitos, dos avanços que significam o Estatuto da Pessoa com Deficiência”, disse, elogiando as medidas já adotadas pelo Senado que garantem mais acessibilidade a visitantes, parlamentares e funcionários.

Segundo Wellington, é importante que os gabinetes dos senadores tenham identificação em Braille, conforme anunciado nesta segunda-feira pelo presidente do Senado. Em 30 dias, todos os gabinetes  devem estar sinalizados, além disso, haverá uma planta baixa tátil, para uso de bengala. Outra medida anunciada hoje é que, ainda nesta semana, o plenário será readaptado para permitir maior acessibilidade aos parlamentares com deficiência.

“Aqui há uma pauta que vamos ter de trabalhar com todo o carinho. São projetos essenciais à vida, aos direitos humanos, enfim, aos avanços da nossa sociedade”, disse Wellington, referindo-se a propostas que asseguram maior inclusão.

wellington2

Para o senador, as decisões tomadas pelo
Congresso são passos que se somam
para a inclusão desses brasileiros de fato à
sociedade e ao mercado de trabalho

Ele também enfatizou uma proposta aprovada recentemente pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS), que trata do reconhecimento de que a pessoa com deficiência tem uma expectativa de vida menor e que, portanto, precisa de um tratamento diferenciado em relação ao tempo para aposentadoria. Ele esclareceu que com a expectativa de vida média levada em conta para a aposentadoria, o resultado é que um portador de necessidade especial que, cientificamente, deve viver menos, jamais conseguirá se aposentar. “Então, quero registrar a importância dessa mudança na área da Previdência”, destacou.

O líder afirmou ainda que as decisões tomadas pelo Congresso Nacional que garantem direitos aos brasileiros com deficiência são passos que se somam para a construção de um grande objetivo: o de incluir esses brasileiros de fato à sociedade e ao mercado de trabalho. “É grande a nossa missão para avançarmos nessa direção”, sintetizou.

Leia também