triste marca

500 mil mortes por Covid-19 e um grande culpado: Jair Bolsonaro

É doloroso dizer isto, mas o compromisso com a verdade e a justiça nos obriga. O total de 500 mil mortes por Covid-19, registrado hoje no Brasil, não é uma simples fatalidade, um infortúnio. É resultado de um projeto pensado e executado por um governo que, sem compromisso com seu povo, colocou interesses políticos e econômicos à frente do direito à vida. O país chora hoje meio milhão de vidas perdidas porque Jair Bolsonaro escolheu assim
:: Agência PT de Notícias19 de junho de 2021 09:00

500 mil mortes por Covid-19 e um grande culpado: Jair Bolsonaro

:: Agência PT de Notícias19 de junho de 2021

É doloroso dizer isto, mas o compromisso com a verdade e a justiça nos obriga. O total de 500 mil mortes por Covid-19, registrado hoje no Brasil, não é uma simples fatalidade, um infortúnio. É resultado de um projeto pensado e executado por um governo que, sem compromisso com seu povo, colocou interesses políticos e econômicos à frente do direito à vida. O país chora hoje meio milhão de vidas perdidas porque Jair Bolsonaro escolheu assim.

E não é o Partido dos Trabalhadores quem afirma. São fatos, analisados por especialistas, que produziram diversos estudos; são documentos e depoimentos colhidos na CPI da Covid, no Senado Federal; todos levando à mesma triste e revoltante conclusão: o governo Bolsonaro nunca quis proteger as brasileiras e os brasileiros da doença. Pelo contrário. Por trás de cada decisão do atual presidente, houve sempre um só objetivo: alcançar a chamada imunidade de rebanho por contaminação.

Essa estratégia baseou-se na seguinte crença: a pandemia chegaria ao fim quando cerca de 60% a 70% da população fossem infectados, adquirindo naturalmente a imunidade contra o novo coronavírus. No início de 2020, esse cálculo era uma estimativa, uma hipótese científica que nunca poderia ser usada como forma de enfrentamento à Covid-19, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) cansou de advertir, ciente de que alguns líderes consideravam implementá-la.

Mesmo assim, Bolsonaro a transformou em seu plano de governo. Ele nunca admitiu ter esse objetivo porque sabia que, assim, condenava à morte centenas de milhares de compatriotas. Mas sua confissão não é necessária. A prova está em tudo o que disse, na forma como se comportou e continua se comportando e em todos os atos oficiais de seu governo ao longo da pandemia. Não foi loucura, ignorância, desconfiança da ciência que moveram Jair Bolsonaro. Foi a decisão de sacrificar vidas para manter intocada sua política econômica.

Tivessem o mínimo de humanidade, Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiriam o que a pandemia deixou claro: o neoliberalismo que tentam implementar à força significa o abandono da população. O coronavírus mostrou que um país necessita de um Estado fortalecido e disposto a investir e proteger seu povo. O momento era, como diz o presidente Lula, “de primeiro cuidar do povo, depois pensar na economia”.

O quê?! Reduzir a atividade econômica e exigir do Estado investimentos, auxílio real e digno para os trabalhadores e as micro e pequenas empresas? Para quê? Para evitar a fome? Para salvar a vida dos mais frágeis, dos mais velhos, daqueles sem “histórico de atleta”? Não. A saída, eles decidiram, era a imunidade de rebanho.

Difícil de acreditar, nós sabemos. Mas que outra explicação haveria para a insistência de Bolsonaro em dizer que a pandemia era uma “fantasia”, que a Covid-19 era uma “gripezinha”? Que outra explicação haveria para as repetidas vezes em que Bolsonaro citou justamente os índices de 60% ou 70% de pessoas que seriam, inevitavelmente, infectadas? Que outra explicação haveria na insistência em promover aglomerações, em recusar o uso da máscara e em incentivar o povo a ir para a rua “como homem”? Que outra explicação haveria para tantas batalhas jurídicas a fim de impedir governadores de adotar medidas de isolamento social? Que outra explicação haveria para a promoção da cloroquina enquanto ofertas de vacinas eram ignoradas? Que outra explicação se não a de Bolsonaro quis, desde o princípio, que o maior número de pessoas ficassem doentes no menor espaço de tempo possível?

Hoje, todas essa perguntas já foram respondidas por mais de um estudo, realizados por instituições como a Universidade de São Paulo (USP), a Fundação Getulio Vargas (FGV), a Universidade de Harvard e a Universidade de Michigan. Todos concluem, por meio da análise sistemática de documentos e declarações, que Bolsonaro implementou essa estratégia assassina, da qual não desiste nem diante de meio milhão de mortos.

Ele deixa, assim, à nação, uma só escolha: tirá-lo da Presidência e, depois, responsabilizá-lo por centenas de milhares de mortes que poderiam ter sido evitadas. Bolsonaro genocida não é um slogan, uma frase de efeito. É uma constatação. Ele só não matou mais porque a maior parte da sociedade brasileira reagiu ao seu plano e, hoje, farta de ser alvo de um assassino, ocupa as ruas em plena pandemia. Fora Bolsonaro é um grito em defesa da vida.

Leia também