Agenda derrotada nas urnas é um desserviço ao Brasil, afirma Fátima Bezerra

:: Da redação18 de maio de 2016 19:52

Agenda derrotada nas urnas é um desserviço ao Brasil, afirma Fátima Bezerra

:: Da redação18 de maio de 2016

Fátima: agenda do governo interino representa um ataque brutal à história de lutas, conquistas e direitos dos trabalhadores e trabalhadorasAo destacar a criação da Frente Parlamentar em Defesa da Classe Trabalhadora, a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) lembrou o grande objetivo da articulação: enfrentar os retrocessos sociais, previdenciários e trabalhistas que estão sendo colocados em prática por um governo provisório. 

“A agenda que o governo golpista apresenta neste momento para a sociedade brasileira é uma agenda derrotada nas urnas quatro vezes. (…) Essa agenda, na verdade, é um desserviço ao Brasil, porque ela representa um ataque brutal à história de lutas, conquistas e direitos dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil”, lembrou Fátima, em discurso ao plenário nesta quarta-feira (18). 

A parlamentar lembrou algumas das nefastas propostas do governo interino de Temer. Entre elas, a reforma previdenciária, que quer aumentar a idade mínima para a aposentadoria; a defesa do negociado sobre o legislado, que descarta todos os direitos garantidos aos trabalhadores na CLT; a terceirização para todas as atividades e a revogação da política de valorização do salário mínimo. 

“[Essa] agenda, na verdade, está aí para atender os interesses do grande capital, para atender os interesses dos banqueiros. Ao mesmo tempo, está aí para atacar os trabalhadores e trabalhadoras com o sucateamento do papel do Estado, com o arrocho salarial cruel, brutal, e com a precarização das relações de trabalho”, disse a senadora. 

A frente parlamentar em defesa dos trabalhadores foi lançada nesta quarta, pela manhã, na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado. O grupo de deputados e senadores irá discutir, defender e implementar direitos constitucionais e infraconstitucionais relacionados ao tema.

 

Leia mais:

Ministro do Governo Temer ameaça saúde pública, universal e gratuita

Facebook
Twitter
Whatsapp
SOCIALICON