Erradicação do Trabalho Escravo

Ministro será chamado a explicar demissão de Chefe da Divisão

"Nós, do PT, vamos convocar o Ministro do Trabalho e pedir explicações sobre a exoneração do Chefe da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo do Ministério do Trabalho, André Roston
:: Da redação10 de outubro de 2017 20:26

Ministro será chamado a explicar demissão de Chefe da Divisão

:: Da redação10 de outubro de 2017

A Bancada do PT encaminhará requerimentos de convocação do Ministro do Trabalho em Comissões do Senado para explicar a exoneração do Chefe da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo do Ministério do Trabalho, André Roston. O anúncio foi feito no plenário do Senado pelo líder da bancada, senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

Segundo os jornais, além de ter desagradado o Governo Federal ao informar a falta de recursos para o combate ao trabalho escravo em audiência pública realizada no Senado Federal, o funcionário foi dispensado neste dia dia 10, em meio a negociação de votos na Câmara dos Deputados para barrar a nova denúncia contra Temer.

“Isso é gravíssimo. Nós estamos comprometendo um trabalho que, eu volto a dizer, era um trabalho feito por vários governos. Era uma política de Estado. Então, nós, do PT, vamos convocar o Ministro do Trabalho e pedir explicações sobre isso que aconteceu”, disse Lindbergh.

O líder da bancada petista leu nota assinada por diversas instituições denunciando o fato, entre elas a Coordenação Geral da Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo. Também assinam a nota a Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo do Ministério Público do Trabalho, a Comissão Pastoral da Terra, a Confederação Nacional dos Trabalhadores Assalariados e Assalariados Rurais e o Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.

“A fiscalização é a base do sistema de combate a esse crime. E, sem uma fiscalização confiável, não há como produzir informação para subsidiar as ações da sociedade civil e do setor empresarial”, alertam as lideranças do setor.

 

Leia também