Mapa da Fome

Bolsonaro foi responsável por trazer a fome de volta ao Brasil

Pelo menos 2 milhões de famílias brasileiras caíram para a extrema pobreza entre janeiro de 2019 e junho de 2021. "Os cortes nos benefícios, a inflação, e a falta de perspectiva de melhora no cenário econômico agravam ainda mais a situação", lamenta o senador Humberto Costa
:: Nilo Bairros27 de setembro de 2021 19:17

Bolsonaro foi responsável por trazer a fome de volta ao Brasil

:: Nilo Bairros27 de setembro de 2021

O senador Humberto Costa replicou em sua conta do Twitter reportagem do portal UOL deste domingo (26) que mostra a dolorosa cena cotidiana de metrópoles brasileiras. A degradante paisagem é feita de pessoas que comem restos estragados de mercadoria não comercializada, gente que teve que escolher entre pagar aluguel e se alimentar, e hoje mora nas ruas.

“Bolsonaro trouxe a fome de volta ao país. Pelo menos 2 milhões de famílias brasileiras caíram para a extrema pobreza entre janeiro de 2019 e junho de 2021. Os cortes nos benefícios, a inflação, e a falta de perspectiva de melhora no cenário econômico agravam ainda mais a situação”, tuitou o senador pernambucano.

Essa sensação é confirmada por quem vaga pelas ruas em busca de comida. Como mencionou a reportagem, pesquisa feita pela Unas, a União de Núcleos e Associações dos Moradores de Heliópolis, comunidade mais populosa da capital paulista, com mais de 200 mil habitantes, revelou que 89% dos moradores da região têm medo de não ter o que comer no dia seguinte e 24% dos entrevistados já ficaram sem alimentação. Em outras cidades brasileiras pesquisadas pelo portal de notícias o drama é o mesmo.

E a percepção é de toda a sociedade. Não há quem não se depare, hoje, com dezenas, até centenas de homens, mulheres, crianças, famílias inteiras perambulando em busca de algo que lhes garanta, ao menos naquele dia, a sobrevivência. É o retrato de um país com 14,8 milhões de desempregados, inflação de dois dígitos, gás de cozinha a 100 reais e desprotegido de malhas de assistência social e de formação de mão de obra que até alguns anos atrás ajudavam a segurar as pontas e ofereciam alternativas a sua população.

Leia também