Brasil discute produção de químicos e fundo de desenvolvimento

Um dos temas mais esperados e polêmicos é a proposta de criação de um fundo de incentivo ao desenvolvimento sustentável.

:: Da redação14 de junho de 2012 18:13

Brasil discute produção de químicos e fundo de desenvolvimento

:: Da redação14 de junho de 2012

Aberta oficialmente nesta quarta-feira (13/06), pela presidenta Dilma Rousseff, a Conferência de Meio Ambiente Rio + 20 debate, nesta quinta-feira (14/06), a sustentabilidade e a produção de químicos industriais. O debate, promovido pelo Ministério do Meio Ambiente, faz parte da série de discussões temáticas sobre temas emergentes para a realidade nacional, denominado “Brasil Sustentável – O Caminho para Todos”, iniciado no dia 11 de junho.

Um dos temas mais esperados e polêmicos nas discussões da Rio + 20 é a proposta de criação de um fundo de incentivo ao desenvolvimento sustentável, defendido pelos países em desenvolvimento (G 77), entre eles o Brasil. O fundo começaria com investimentos da ordem de US$ 30 bilhões, a partir do ano que vem, com expectativa de alcançar US$ 100 bilhões. Estados Unidos e Canadá são contrários à proposta.

De acordo com o negociador-chefe do Brasil na Conferência, embaixador Luiz Figueiredo Machado, o assunto já foi incluído na pauta de discussão. “O grupo do G77+China tem a ideia da criação de um fundo para o desenvolvimento sustentável, de U$ 30 bilhões. Essa é uma proposta que conta com respaldo do grupo e faz parte da negociação que está sendo conduzida”, afirmou o embaixador, confiante na aprovação da proposta e sua inclusão no documento final, que será apresentado no dia 22 próximo.

Retrocesso

Pensando nas resistências que os representantes dos países desenvolvidos poderão apresentar, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, declarou que a Rio + 20 não será um evento de retrocessos. “Os documentos aprovados há duas décadas na Rio92 terão de ser respeitados. Nós partimos do legado de 92”, afirmou a ministra.

O ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota demonstrou otimismo com os resultados da Rio+20 e destacou o grande número de participantes e de eventos, oficiais e paralelos, que já estão ocorrendo na cidade. “Esses eventos representam um marco em si mesmos, na medida em que estaremos reunindo um número significativo de representantes governamentais e da sociedade civil. Já começaram no Rio de Janeiro 54 eventos paralelos, temos 20 mil pessoas credenciadas para o Riocentro, quase 8 mil delegados já chegaram”, disse. A ministra do Meio Ambiente contabiliza cerca de 3 mil eventos não oficiais e mais 500 oficiais que deverão ocorrer nas próximas duas semanas.

Feira

Uma mostra de produtos da Amazônia, Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica tem chamado a atenção dos participantes da Conferência Rio + 20, na Praça da Biodiversidade. Os produtos em exposição são fruto do trabalho das cooperativas que fazem parte do Programa Talentos do Brasil, do Ministério do Desenvolvimento Agrário em parceria com o Sebrae.

Ao todo, cerca de 2 mil artesãs de 16 estados brasileiros fazem parte desse Programa. Elas estão organizadas em pequenas cooperativas, formando a Cooperativa Nacional Marca Única (Cooperúnica), que comercializa um portfólio com mais de 2.000 produtos.

Com informações do MMA e Agência Brasil

Leia mais:

Rio+20: Dilma pede união de todos os países pela sustentabilidade

Aníbal Diniz espera que RIO + 20 produza ações concretas

Paulo Paim pede destaque da Carta da Terra na Rio + 20

Leia também