Autos de resistência

Aprovada investigação de mortes em operações policiais

A proposta acaba com os chamados “autos de resistência” — modalidade de registro de mortes de cidadãos que, alegadamente, tenham sido resultado de confronto ou resistência à ação policial
:: Cyntia Campos8 de novembro de 2017 16:51

Aprovada investigação de mortes em operações policiais

:: Cyntia Campos8 de novembro de 2017

A Comissão de Constituição e Justiça aprovou, na manhã desta quarta-feira (8), o projeto que torna obrigatória a investigação de mortes ocorridas durante operações policiais. A proposta acaba com os chamados “autos de resistência” — modalidade de registro de mortes de cidadãos que, alegadamente, tenham sido resultado de confronto ou resistência à ação policial. Esses casos, em geral, acabam arquivados sem investigação.

O PLS 239/2016 foi elaborado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ado que apurou o assassinato de jovens no Brasil, sob a presidência da senadora Lídice da Mata (PSB-BA) e com relatoria do senador Lindbergh Farias (PT-RJ). Como confirmou a investigação, o homicídio no País tem cor, idade e endereço definidos: mais de um terço das 57 mil vítimas anuais têm menos de 29 anos, são negros ou pardos e vivem nas comunidades mais pobres.

Inquérito garantido
A violência policial é um dos motores dessa realidade, como lembra Lindbergh. Ele lembra as diligências realizadas pela CPI, quando, em visita a comunidades pobres, o que mais chamava a atenção era o desassossego das mães de adolescentes e jovens, especialmente do sexo masculino: “Nesses lugares essa juventude está sendo exterminada pelo tráfico, pela milícia e, às vezes, infelizmente, pela polícia”.

Segundo a proposta aprovada, sempre que houver feridos ou mortos em confronto com as forças de segurança, deverá será instaurado inquérito. A investigação assegurada pelo PLS 239/2016 estende para todo País uma política que já foi adotada pelas secretarias de Segurança Pública de São Paulo e do Rio de Janeiro, que já regulamentaram a necessidade de apurar os casos que, anteriormente, eram arquivados como autos de resistência. “Infelizmente, muitos casos classificados como ‘decorrentes de confronto com a polícia’ são simplesmente execuções”, registrou o senador.

O PLS 239 já havia passado pela CCJ e encaminhada para apreciação do Plenário do Senado, mas recebeu emendas e retornou ao colegiado. Nesta quarta-feira, com relatoria ad-hoc de Lindbergh — Lídice, a relatora designada, está cumprindo compromissos fora de Brasília—a matéria voltou a receber a aprovação dos senadores. As emendas de plenário, todas de autoria do Senador João Capiberibe (PSB-AP), aperfeiçoam as regras para a realização das perícias destinadas a elucidar as mortes alegadamente ocorridas em situação de confronto com a polícia. A matéria agora volta ao plenário.

O Brasil registra uma taxa anual de homicídios que chega a 57 mil mortes — 53% das vítimas são jovens e, entres esses, 77% são negros e 93% são do sexo masculino. Raça, classe social, gênero, escolaridade, renda e oportunidades estão diretamente relacionados às chances de um jovem brasileiro ser vítima de um homicídio. Os números colocam o país em quarto lugar entre os mais violentos do mundo. A cada cinco pessoas vítimas de homicídio no planeta, uma é brasileira.

Câmara também debate
Os autos de resistência também estão na pauta da Câmara dos Deputados, que deve votar esta semana um pacote de projetos de lei voltados para a área de segurança pública. O PLC 4471/12, de autoria do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), também torna obrigatória a investigação de todas as mortes causadas por agentes públicos, como policiais civis e militares.

Policiais militares e civis mataram 459 pessoas nos primeiros seis meses do ano. Uma média de 2,5 por dia no Estado de SP. 72% das vítimas da polícia eram pretas ou pardas, aponta levantamento feito com base nos boletins de ocorrência.

Leia mais:
Avança no Senado projeto que extingue “autos de resistência”
Lindbergh sugere plano nacional para combater genocídio de jovens negros
CPI poderá qualificar “epidemia de homicídios” como genocídio
Epidemia de homicídios de jovens macula conquistas sociais, afirma Lindbergh

Leia também