carestia

Com Bolsonaro, botijão de gás já custa 10% do salário mínimo

Pesquisa da Agência Nacional do Petróleo mostra que o preço médio do botijão de 13kg passa de R$ 100 em 16 estados
:: Agência PT de Notícias29 de setembro de 2021 15:53

Com Bolsonaro, botijão de gás já custa 10% do salário mínimo

:: Agência PT de Notícias29 de setembro de 2021

Essencial para que as famílias brasileiras consigam preparar suas refeições, o botijão de gás já custa cerca de 10% do salário mínimo, que, sem aumento real há dois anos, está em R$ 1.100. Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio do botijão de 13kg ficou acima dos R$ 100 em 16 unidades da federação na semana de 19 a 25 de setembro (veja tabela abaixo).

De acordo com a ANP, nos últimos seis meses, o preço do gás subiu 18,56% em média no país. Economistas neoliberais e grande parte da mídia têm responsabilizado a alta do dólar pela disparada, mas escondem que o governo Bolsonaro não precisava atrelar o preço do gás (nem do diesel ou da gasolina) à variação da moeda norte-americana.

O presidente Lula apontou o real motivo de um botijão tão caro em entrevista a uma rádio de Cuiabá na manhã desta quarta-feira (29). “Subordinar o nosso preço a uma política de preços internacional teria justificativa se o Brasil fosse importador de petróleo, fosse dependente (do petróleo de outros países). Mas o Brasil é autossuficiente na produção de gasolina e de óleo diesel, portanto não deveríamos estar submetidos ao preço internacional”, afirmou. “O Brasil pode ter um preço próprio para a gasolina, para o óleo de avião, para o gás de cozinha. E nós fizemos isso quando éramos governo”, acrescentou.

Mãe morre queimada após cozinhar com álcool
Enquanto Jair Bolsonaro e Paulo Guedes agradam investidores estrangeiros, os únicos que ganham com a política praticada pela Petrobras sob ordens de Bolsonaro, o povo acaba buscando alternativas perigosas, como usar álcool líquido para acender o fogo e cozinhar. Na última segunda-feira (27), toda a imprensa noticiou a morte de Geisa Stefanini, 32 anos, que teve 90% do corpo queimando quando utilizava álcool para preparar uma refeição.

Moradora de Osasco (SP), Geisa era o retrato do abandono ao qual Bolsonaro submete os brasileiros. Mãe de um bebê de 8 meses, ela estava desempregada e vivia com R$ 325, que recebia do Bolsa Família. Ao recorrer ao álcool, ela acabou sendo atingida por uma explosão e teve entre 80% e 90% do corpo queimado, morrendo após ficar 25 dias internada.

Preço médio do gás de cozinha entre 19 e 25 de setembro:

Leia também