Corte nos juros faz País economizar um Bolsa Família em um ano

Governo economizou R$ 20 bilhões nos últimos 12 meses. Tendência de queda da inflação continua – supersafra contribui para queda nos preço dos produtos.

:: Da redação2 de maio de 2013 14:24

Corte nos juros faz País economizar um Bolsa Família em um ano

:: Da redação2 de maio de 2013

O setor público gastou R$ 217 bilhões com pagamento de juros aos investidores nos últimos 12 meses, segundo o Banco Central. Um ano antes, no período de abril de 2011 a março de 2012, o gasto havia sido de R$ 237 bilhões. A diferença, R$ 20 bilhões, é praticamente o orçamento do programa Bolsa Família em 2012 (R$ 21 bilhões).

Inflação
O BC reduziu a taxa básica de juros (a chamada Selic) de 12,5% ao ano, em julho de 2011, para 7,25%, em outubro do ano passado, nível que foi mantido até o dia 18 de abril. Com essa queda, caíram também os juros ao consumidor, levando a um aumento da demanda por bens de consumo.

Como a produção de bens não aumentou na mesma proporção, a inflação acelerou, até atingir 6,59% nos 12 meses encerrados em março.

É verdade que boa parte da inflação resultou de aumento nos preços de alimentos (alta de 13,5% no período), produtos que o consumidor não adquire por meio de financiamento. As condições climáticas contribuíram para esta alta.

A taxa inflacionária, no entanto, já apresenta uma desaceleração da alta registrada nos últimos meses. Diante da expectativa de supersafra agrícola, dados do Governo já mostram a tendência de queda em vários alimentos. Um exemplo é a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), que caiu em cinco das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV) entre a primeira e a segunda semanas de abril. A maior redução foi observada em Brasília: 0,2 ponto percentual, já que a taxa passou de 0,6% na primeira semana para 0,4% na segunda.

Gastos com juros

Há duas semanas, o BC voltou a subir a taxa básica de juros, para 7,5% ao ano, e provavelmente a elevará a 8,25% até o fim do ano, segundo projeções de instituições financeiras.

Mesmo que os gastos com juros voltem a subir, a Selic não voltará a atingir os patamares estratosféricos vivenciados pelos brasileiros há uma década. Ao mesmo tempo que o Governo afirma que não pretende diminuir a política de transferência de renda nem os investimentos em programas sociais em geral, a equipe econômica e a própria presidenta Dilma Rousseff já deixou claro que continuará vigilante em relação à inflação. O resgate do crescimento econômico continuará passando pela cortes de impostos e redução dos custos para o consumidor e produtor.

A expectativa do Governo é que as empresas voltem a aumentar investimentos, como é o caso da indústria de transformação, como já apontado em balanço recente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ou seja, ao investir em máquinas e equipamento, o empresariado está se preparando para produzir mais.

pib

Com informações de agências onlines

Leia mais:

Taxa de desemprego em março é a mais baixa desde 2002

Desembolsos do BNDES são os maiores da história

Líder do PT sobre a inflação: “chega de terrorismo”


Leia também