pec emergencial

É possível pagar auxílio sem desestruturar o Estado

Bancada do PT se reuniu com o presidente do Senado para discutir a tramitação da PEC Emergencial e reforçou a posição do partido. Garantir o pagamento do auxílio emergencial sem a retirada de recursos da saúde e educação
:: Rafael Noronha23 de fevereiro de 2021 16:44

É possível pagar auxílio sem desestruturar o Estado

:: Rafael Noronha23 de fevereiro de 2021

O líder do PT no Senado, Paulo Rocha (PA) se reuniu nesta terça-feira (23) com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) para debater a tramitação da PEC Emergencial (PEC 186/2019). De acordo com o senador, a posição da bancada é garantir o pagamento do auxílio emergencial sem que haja alterações definitivas na Constituição, como propõe o relator da medida, senador Marcio Bittar (MDB-AC).

“Nós temos que enfrentar essa discussão no Congresso Nacional e nossa posição está bem clara. Nós somos demandados pela sociedade e precisamos dar respostas de que, sim, temos de onde tirar para pagarmos o auxílio emergencial sem desestruturar o Estado brasileiro como o governo quer fazer. Essa é a nossa posição”, afirmou o senador Paulo Rocha.

O relatório apresentado cria mecanismos de ajuste fiscal para União, estados e municípios em situações de crise e propõe a revogação dos pisos constitucionais para gastos com educação e saúde.

Para o senador Jean Paul Prates (PT-RN), líder da Minoria no Senado, não faz sentido o governo querer retirar dinheiro da educação e da saúde para financiar o auxílio emergencial em meio à pandemia.

“Não foram exauridas todas as condições e requisitos que nos fazem gerar o auxílio emergencial. Emergencial no Brasil, hoje, é o auxílio emergencial e a vacina. Tudo além disso é secundário, inclusive, alterações permanentes na Constituição em cima da desvinculação de recursos para saúde e educação. Não faz sentido tirarmos recursos da saúde quando é dela que mais precisamos. Sabemos que o Tesouro Nacional tem como arcar com o auxílio emergencial sem mexer na Constituição”, disse.

Mais tempo para o debate
O senador Rogério Carvalho (PT-SE), que também participou da reunião com o presidente do Senado, destacou pedido de adiamento da votação, prevista para a próxima quinta-feira (23), para que os partidos tenham mais tempo disponível para apresentar sugestões à proposta.

“Solicitamos o adiamento da votação da PEC Emergencial para que tenhamos mais tempo para o debate e garantir que os partidos tenham tempo de produzir votos em separado para que o debate ocorra e possamos chegar num texto que atenda a população que precisa do auxílio emergencial sem asfixiar ainda mais a economia”, explicou.

Leia mais:

Emergencial é o pagamento de auxílio para os mais pobres

Leia também