Gleisi Hoffmann denuncia crise nas finanças estaduais do Paraná

"O governador do PSDB anula conquistas e
benefícios dos trabalhadores da educação",
denuncia Gleisi Hoffmann

A Assembleia Legislativa do Paraná bem que tentou aprovar, em rito sumário – mais conhecido como tratoraço, uma série de projetos de lei que caçavam direitos dos servidores estaduais. Mas a mobilização dos trabalhadores conseguiu derrotar a manobra.

:: Da redação18 de Fevereiro de 2015 17:53

Gleisi Hoffmann denuncia crise nas finanças estaduais do Paraná

:: Da redação18 de Fevereiro de 2015

 

Foi essa ação, somada ao movimento dos professores contratados temporariamente, que não receberam seus pagamentos referentes ao ano de 2014 que colocaram luz sobre uma situação que o governo do tucano Beto Richa tenta, insistentemente, manter sob o tapete: a situação crítica dos cofres paranaenses.

 

“Não é de agora que estamos acompanhando a triste situação financeira do estado do Paraná. Durante 2013 e boa parte de 2014, assistimos às notícias dos atrasos nos pagamentos de fornecedores e prestadores de serviços por parte do governo do estado”, recordou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) em pronunciamento ao plenário nesta quarta-feira (18).

 

Segundo ela, acumulam-se relatos não só de atrasos em pagamentos, mas de impossibilidade de arcar com responsabilidades como manutenção de viaturas policiais. “Com a proximidade das eleições, essas situações foram escondidas, maquiadas e insistentemente o governador dizia que as finanças estavam em ordem, que o estado estava azeitado e o melhor estaria por vir”, recordou a senadora.

 

Vencidas as eleições, a crise se mostrou com todo o seu tamanho. “Esse era o melhor que estava por vir? Foi esse o azeitamento e a ordem na casa que o senhor governador colocou durante os quatro anos de gestão?”, questionou a senadora, dirigindo-se a Beto Richa.

 

Ela lembrou que o estado é um dos que teve a maior arrecadação nos últimos anos: a receita do ICMS aumento 44%, além dos demais. “Como explicar essa crise, então? Gastou mal? Contratou muitos comissionados? Concedeu reajustes que não podia pagar? Aumentou o contrato com terceirizados? Ampliou fortemente a verba com publicidade?”

 

Gleisi concluiu que a única resposta possível para a razão da crise é descontrole nas contas públicas. “A despesa subiu 53% nesse mesmo período. Esse descontrole não foi ocasionado pelo governo federal, ou por mim, conforme o senhor governador acusava na campanha, dizendo-se perseguido. O seu Fundo de Participação dos Estados [FPE] não caiu; pelo contrário, subiu. Os empréstimos, apesar dos problemas nas suas contas, foram liberados, e a União sempre investiu muito no Paraná”, garantiu.

 

A parlamentar criticou ainda o pacote de medidas destinadas a reduzir as despesas. Segundo ela, as ações antigastos afetaram fortemente os servidores públicos, especialmente os professores. “Sem qualquer aviso, sem qualquer diálogo, sem negociação, pretendeu o governador do PSDB anular conquistas e benefícios dos trabalhadores da educação”, denunciou.

 

Leia mais:

 

Beto Richa recua da tungada no funcionalismo, mas jornais censuram

 

Gleisi critica medidas do governo estadual para educação e previdência

 

Leia também