Governo assina acordo para reajuste de professores universitários

Segundo o Proifes, a maioria dos docentes de 43 universidades e institutos decidiu que o acordo deve ser assinado. Texto será enviado ao Congresso.

:: Da redação3 de agosto de 2012 12:44

Governo assina acordo para reajuste de professores universitários

:: Da redação3 de agosto de 2012

O Governo Federal anunciou nesta quinta-feira (03/08) que a Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), aceitou assinar o Termo de Acordo assegurando reajuste aos professores federais. O Proifes informou ao governo que na consulta feita às suas bases, a maioria dos professores de 43 universidades e institutos federais decidiu que o acordo deve ser assinado.

O comunicado foi feito pelo secretário de Relações de Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, após reunião com as três entidades que representam os docentes do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico, e Tecnológico (EBTT). São elas, além do Proifes, o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino – Andes, e o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica e Tecnológica – Sinasefe. Também participou da reunião o secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação – MEC, Amaro Lins.

Essas duas últimas entidades – Andes e Sinasefe – informaram ao Governo que a proposta não foi aprovada pelas assembléias realizadas nos últimos dias. O secretário Mendonça, no entanto, garantiu que esse é o acordo possível e que o Governo não apresentará uma nova contraproposta.

“O acordo está aberto para que Andes e Sinasefe assinem a qualquer momento”, disse o secretário Mendonça. “Vamos assinar com o Proifes e enviar até o dia 31 um projeto de lei ao Congresso Nacional”, informou, acrescentando que pretende iniciar na próxima semana as negociações com os servidores técnico-administrativos, representados pelo Sinasefe e pela Fasubra, a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores nas Universidades Brasileiras.

O Reajuste

O Termo de Acordo proposto pelo Governo Federal assegura a todos os docentes um reajuste de pelo menos 25% sobre a remuneração de março, quando houve aumento de 4%. Para os professores titulares o índice atinge até 40%. Os valores serão pagos em três parcelas, nos anos de 2013, 2014 e 2015.

Pela tabela apresentada pelo Ministério do Planejamento e pelo Ministério da Educação, um professor titular, com dedicação exclusiva, passa de R$ 12.225,25 para R$ 17.057,74 ao se completar a aplicação do índice.

Pela anterior, onde os reajustes partiam do índice de 12%, o custo seria de R$ 3,92 bilhões e o pagamento ocorreria nos meses de julho. Agora, com os novos índices, o impacto no Orçamento da União é de R$ 4,2 bilhões. Além disso, a aplicação dos índices foi antecipada para março de cada ano.

Na nova proposta, além do reajuste na remuneração, o Governo Federal atendeu diversas reivindicações, entre elas a retirada dos pontos que, no entender das entidades, feriam a autonomia universitária; e também alguns critérios de progressão no Magistério Superior e no Ensino Básico, Técnico, e Tecnológico que eles entendiam serem “barreiras”.

Informações do Ministério do Planejamento

Leia mais:

 

Governo mantém proposta para professores e envia projeto ao Congresso

Com nova proposta, Governo faz apelo pelo fim da greve dos professores

Reajuste dos professores será acima da inflação até 2015


Leia também