Impeachment de Dilma foi uma operação abafa da operação Lava-Jato, diz Paim

:: Da redação23 de Maio de 2016 19:21

Impeachment de Dilma foi uma operação abafa da operação Lava-Jato, diz Paim

:: Da redação23 de Maio de 2016

Paim: estou ficando cada vez mais preocupado com tudo isso que poderá acontecer em prejuízo para os trabalhadoresO senador Paulo Paim (PT-RS) disse, nesta segunda-feira (23), em plenário, que a gravação publicada pela Folha de S. Paulo entre o ministro do Planejamento do governo golpista, Romero Jucá, e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, deixa claro que o objetivo do impeachment está muito bem definido. “O processo de impeachment contra a presidenta foi uma operação abafa a Lava Jato”, disse.

Paim questionou se, agora, “muitos senadores não estão se sentindo enganados” após a gravação deixar claro o objetivo do processo de afastamento. “Só tem uma saída: afastar a presidenta para que a operação Lava Jato não continue”.

Além da questão, classificada como “gravíssima pelo senador”, Paim ainda mostrou enorme preocupação com o noticiário político das últimas semanas que apontam para o caminho da flexibilização da CLT, a ampliação da terceirização e o próprio fim do Ministério da Previdência. A última medida, inclusive, já adotada pelo presidente interino.

“Isso não é invenção. Está nos jornais. E onde vão flexibilizar? Na questão da saúde do trabalhador, Fundo de Garantia, férias, previdência, décimo terceiro, licença-maternidade, entre outros. Está pior do que eu imaginava”, elencou.

Segundo Paim, nem a “Ponte Para o Futuro”, documento que orienta o governo do PMDB, falava “tão abertamente” da redução de direitos garantidos patrocinada pelos golpistas. “Estou ficando cada vez mais preocupado com tudo que poderá acontecer em prejuízo para os trabalhadores”, salientou.

Paim ainda disse duvidar que os senadores que votaram favoravelmente a abertura do processo de impeachment concordariam em manter essa posição, se ficassem sabendo da adoção dessas medidas antes de iniciado o processo.

“Eu questionei quase todos os presidentes, mas eu questionava sobre o aumento do aposentado. Eu nunca iria imaginar que iria vir um governo para acabar. Por que não disseram na Ponte para o Futuro, claramente, ‘vamos acabar com o Ministério da Previdência? ’”, enfatizou.

Leia mais:

Gleisi: golpe da voz mansa é a morte de um país com menos desigualdades

 

Ações conservadoras do governo golpista revelam combate a pauta social