Liderados por Delcídio, senadores reclamam de notáveis

Pacto federativo vem sendo debatido por um grupo escolhido por José Sarney, enquanto as comissões temáticas do Senado ficaram de fora.

:: Da redação30 de outubro de 2012 12:51

Liderados por Delcídio, senadores reclamam de notáveis

:: Da redação30 de outubro de 2012

O presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), senador Delcídio do Amaral (PT-MS), aproveitou a reunião desta terça-feira (30/10) para voltar a criticar a iniciativa do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que criou uma “comissão de notáveis” para propor alternativas ao pacto federativo. Instalada no dia 20 de março, a comissão deve apresentar suas conclusões ainda nesta semana – possivelmente ainda hoje.

“Como vai ser isso, uma proposta de uma comissão externa sendo derrotada em plenário por senadores”, questionou Delcídio, que tem atacado duramente a iniciativa de Sarney. Ele defende que a CAE é o fórum adequado para discutir a relação que o Governo Federal (estado soberano) deve estabelecer com os estados (entes federados).

Delcídio foi seguido pelo líder do Governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB.-AM) que pediu que, no mínimo, as conclusões dos “notáveis” sejam apresentadas no plenário da CAE. “Essa comissão não pode ficar alijada desse processo”, reforçou.

O debate começou por conta da urgência requerida para a votação do projeto de Lei da Câmara (PLC 32/2012), relatado pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ) que modifica a lista de serviços tributáveis pelo Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). Os senadores queixaram-se de que, embora seja uma proposta simples, o projeto está sob análise do Congresso desde 2004 e, embora pronta para votação, precisou de um acordo que garanta que o Governo vetará um dos artigos. Ou o projeto seria votado assim ou precisaria retornar à Câmara o que, segundo o relator, Lindbergh Faria, perpetuaria a insegurança jurídica já antiga sobre a questão.

O Projeto, que foi finalmente aprovado pelo plenário da CAE, trata a inserção de textos e correlatos não como serviço de comunicação, mas como serviço de publicidade ao aplicar a terminologia “inserção”, e não “veiculação” de publicidade, pois cuida, todavia, de inserir material publicitário no espaço contratado e não de “veicular”, ato próprio de divulgação de conteúdos

(notícia, informações e entretenimento), por meio de comunicação social.

Lindbergh lembrou, em seu parecer, que o Supremo Tribunal Federal (STF) já definiu que a veiculação de serviço de publicidade não deve ser tratada como serviços de comunicação, que são tributados pelos estados por meio do ICMS.

 

A matéria, agora, seguirá para o plenário.

Giselle Chassot

Conheça o relatório do senador Lindbergh ao PLC32/2012

 

Leia mais:

 

Pacto federativo será priorizado pelas comissões ordinárias

 

Governadores querem transição para mudanças no ICMS de importação

 

“Notáveis” não usurparão prerrogativas das comissões do Senado

Delcídio ironiza comissão de notáveis para discutir Pacto Federativo

Leia também