Lindbergh acredita em nova redução dos juros

“O BC, o Ministério da Fazenda e a presidenta Dilma estão entendendo a complexidade da crise e por duas vezes Alexandre Tombini disse que a fórmula de sair da crise é promover o crescimento econômico”

:: Da redação27 de setembro de 2011 18:49

Lindbergh acredita em nova redução dos juros

:: Da redação27 de setembro de 2011

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) está convicto de que o Banco Central deverá manter um ritmo de redução das taxas de juros. A afirmação foi feita ao site PTnoSenado logo após participar de audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), que nesta terça-feira (27/09) recebeu o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. “O BC, o Ministério da Fazenda e a presidenta Dilma estão entendendo a complexidade da crise e por duas vezes Alexandre Tombini disse que a fórmula de sair da crise é promover o crescimento econômico”, afirmou.

Considerando que o arranjo macroeconômico brasileiro está no caminho certo e consiste em manter o controle da inflação, dos gastos públicos e do crescimento. Assim, proporcionará em seguida a redução das taxas de juros. “Pelas sinalizações acredito num movimento consistente de queda dos juros’, disse ele, ao citar matéria do jornal Valor Econômico de ontem indicando forte retração das taxas de juros negociadas no mercado futuro.

Lindbergh perguntou ao presidente do Banco Central sobre qual é a estratégia para reduzir a indexação, pela Taxa Selic, dos títulos públicos. Tombini reconheceu que 52% da dívida bruta do Brasil – inclusive em títulos públicos – está atrelada à Taxa Selic e isso corresponde a algo em torno de 5% do Produto Interno Bruto (PIB).

O senador acredita que ao pagar cerca de R$ 195 bilhões em juros para os detentores de títulos atrelados à Selic, o País perde sua capacidade de investimento.

Marcello Antunes

Ouça o senador Lindbergh Farias (PT-RJ)

{play}images/stories/audio/Lindbergh_tombini{/play}

Clique com o botão direito para baixar o áudio

Veja a intervenção do senador fluminense durante audiência com o presidente do Banco Central

{youtube}oO0UWABLOUg{/youtube}

Leia também