cpi da covid

Ministro da Saúde culpa estados por atraso na vacinação

Ao Senado, Queiroga admite, contudo, que não estão na lista de imunizantes do governo as vacinas ainda não aprovadas pela Anvisa. Na Bahia, Bolsonaro volta a ameaçar governadores. CPI da Covid será instalada nesta terça-feira
:: Olímpio Cruz26 de abril de 2021 16:32

Ministro da Saúde culpa estados por atraso na vacinação

:: Olímpio Cruz26 de abril de 2021

Em meio ao agravamento da pandemia, que neste final de semana totalizou quase 395 mil mortos e mais de 14,5 milhões de infectados no país, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira, 26, acusou os estados e municípios de atrapalharem a entrega das vacinas pelo governo federal. Ele negou que o Ministério da Saúde tenha reduzido o número de doses a serem entregues. E admitiu que o governo está enfrentando dificuldades para administrar a segunda dose da vacina. “Se todos judicializarem, não tem doses para todo mundo”, reagiu. “Não é a judicialização que vai resolver esse problema”.

Queiroga compareceu à sessão da Comissão Temporária da Covid no Senado e admitiu que o governo excluiu da lista de imunizantes a serem entregues aquelas ainda não autorizadas pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). A ida ao Congresso ocorre um dia antes do Senado instalar a CPI da Covid. O senador Humberto Costa (PT-PE), que integra a comissão, reiterou as críticas ao governo. “Isso mostra o absoluto desprezo, falta de planejamento, menoscabo com que essa tragédia vem sendo tratada por Jair Bolsonaro”, disse o parlamentar.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE), suplente da CPI, voltou a  acusar o presidente da República de ter atuado de maneira deliberada para ampliar o contágio da população como forma de estimular uma “imunidade de rebanho”. “Na CPI, pretendemos apontar que o presidente sistematicamente expôs o povo à morte para cumprir essa tese”, lembrou o parlamentar, em entrevista ao jornalista Leonardo Sakamoto, do UOL. Queiroga disse no Senado que o Brasil não precisa de “polêmica” e que é necessário “passar uma mensagem harmônica à sociedade”.

Na Bahia, o presidente Jair Bolsonaro voltou a ameaçar o uso do Exército contra os governadores que vêm recomendando medidas de distanciamento social. “Estão seguindo o artigo 5º da Constituição? Está sendo respeitado o direito de ir e vir, o direito de a pessoa ter um emprego, ocupar o tempo para exercitar a sua fé? É só ver se isso está sendo respeitado ou não”, disse em Conceição do Jacuípe, a 102 km de Salvador). Ele lembrou que o papel das Forças Armadas é garantir o cumprimento da Constituição.

Na audiência pública no Senado, o ministro também criticou administradores de estados e municípios. “A aplicação da segunda dose tem sido um pedido de governadores e prefeitos e agora, em face do retardo de insumo vindo da China ao Instituto Butantan, há uma dificuldade na aplicação desta dose”, declarou. “Se nós respeitássemos o nosso Plano Nacional de Imunização, iria melhor. Ocorre que há a inclusão de um grupo (prioritário) ou outro e isso termina por alterar a harmonia do programa e atrapalha o nosso processo de vacinação”.

A comissão sabatina o ministro sobre o PNI, que tem sofrido com as constantes mudanças nos prazos de vacinação contra o novo coronavírus estipulados pela própria pasta. Após ser questionado pelos senadores sobre as constantes mudanças nos prazos de entrega dos imunizantes contra a Covid-19, Queiroga jurou que o ministério reduziu as metas de vacinação. “O que nós fizemos foi retirar o calendário anteriormente colocado daquelas vacinas que estavam sem aprovação da Anvisa”, admitiu.

Com relação à disponibilidade de vacinas à população, o ministro reclamou da imprensa. “O Brasil é o quinto país que mais distribui doses de vacinas e ficam as pessoas aí na mídia criticando o tempo inteiro a campanha nacional de imunização, passando uma mensagem desencontrada para a sociedade brasileira”, desabafou. Ele também se defendeu das críticas que sofreu quando o ministério divulgou nota técnica sobre a racionalização do uso do oxigênio hospitalar. Queiroga criticou a divulgação “incorreta” do documento.

Sobre o relacionamento do Brasil com as organizações multilateriais do sistema das Nações Unidas e, em especial, a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ministro garantiu que o governo mantém a “melhor relação possível”. “Inclusive, o presidente (sic) Tedros Adhanom – (diretor geral da OMS), em sua conta no Twitter, já publicou a excelente relação que tem comigo e com o embaixador Carlos França. E essa relação não é comigo e nem com o diplomata, mas com o nosso país, o Brasil”, declarou.

Leia também