Paim quer ação contra barreiras protecionistas argentinas

Para o senador, a Argentina já ultrapassou todos os limites, colocando em jogo o acordo do Mercosul.

:: Da redação15 de junho de 2012 19:50

Paim quer ação contra barreiras protecionistas argentinas

:: Da redação15 de junho de 2012

As medidas impostas pelo governo argentino para restringir as importações de produtos brasileiros foram tema de discurso, nesta sexta-feira (15/06), do senador Paulo Paim (PT-RS). O senador pediu providências ao Ministério das Relações Exteriores, porque as barreiras que o governo da Argentina criou não obedecem, sequer, as regras estabelecidas pela Organização Mundial de Comércio (OMC). Segundo ele, a Argentina já ultrapassou todos os limites, colocando em jogo, inclusive, o acordo do Mercado Comum do Cone Sul – Mercosul. “É uma situação que já ultrapassou todos os limites do tolerável. Não podemos admitir o completo desrespeito aos acordos firmados e às normas do comércio internacional”, reclamou Paim.

O senador usou o exemplo das importações de carne suína. Com um comportamento ambíguo, de acordo com Paim, o governo argentino anunciou a abertura de importação do produto, sem limites de quotas. No entanto, os negócios entre os dois países continuam sem avançar da maneira que se esperava, já que, internamente, o Secretário de Comércio Interior da Argentina, Guillermo Moreno, determinou que essas importações deveriam ser realizadas em ritmo lento.

“O governo brasileiro recebeu informações de que o Secretário de Comércio Interior da Argentina determinou que a abertura do mercado argentino para a carne suína brasileira seja feita “a conta-gotas”, a fim de usar a abertura total do mercado para o produto como instrumento de barganha em futuras negociações. Esse tipo de postura – dúbia, dissimulada, desleal – não pode ser aceita na relação entre os países”, se indignou o senador Paulo Paim.

Além da carne suína, Paim citou produtos como os calçados. “Semanas atrás, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados denunciava a existência de mais de 2 milhões e 200 mil pares de calçados brasileiros vendidos à Argentina que estavam barrados na fronteira ou retidos em estoques por conta das medidas restritivas impostas pelo país vizinho aos produtos brasileiros”, contou o senador, acrescentando que o Brasil poderia vender 25 milhões de pares ao ano para aquele país, se não fosse pelas restrições que nos estão sendo impostas.

O senador falou também de outros setores, como o da celulose, máquinas agrícolas, têxteis, móveis e de produtos agropecuários, que também estou sofrendo com os embargos às importações de produtos brasileiros.

Leia a íntegra do discurso do senador Paulo Paim

 

Leia também