Trabalhadores na luta

Reunião organiza resistência à reforma trabalhista

Dirigentes sindicais, juízes e procuradores do Trabalho e representantes do movimento social debateram coma Bancada da Oposição as estratégias para enfrentar a votação desta terça-feira
:: Cyntia Campos10 de julho de 2017 19:47

Reunião organiza resistência à reforma trabalhista

:: Cyntia Campos10 de julho de 2017

Uma centena de dirigentes sindicais, seis centrais sindicais, entidades de juízes e procuradores do Trabalho, Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST) e Frente Brasil Popular estiveram reunidos com a Bancada da Oposição no Senado, no início da noite dessa segunda-feira (10), para organizar as estratégias de resistência para a votação da reforma trabalhista, agendada para as 11 horas da manhã desta terça-feira no plenário da Casa.

A reunião foi realizada na Liderança do PT, com a presença dos senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), José Pimentel (PT-CE), Paulo Paim (PT-RS), Paulo Rocha (PT-PA), João Capiberibe (PSB-AP) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

Reforma para salvar Temer
Duas unanimidades deram o tom da reunião. A primeira é que essa reforma, se aprovada, vai desorganizar violentamente as relações de trabalho no Brasil. A segunda: apesar dos esforços dos oposicionistas para fazer de conta que a sessão desta terça-feira será apenas “mais uma” na vida do Senado, não há normalidade possível quando se pretende votar o retorno do País ao Século 19 a toque de caixa.

Temer pode cair a qualquer momento e querem que o Senado vote esse absurdo como se nada estivesse acontecendo

Lindbergh Farias, líder do PT

“Essa não será uma sessão normal. O País está parado para acompanhar o processo contra Temer, que pode cair a qualquer momento, e os governistas querem que o Senado vote um projeto absurdo desses como se nada estivesse acontecendo”, resume Lindbergh Farias, líder do PT no Senado. “Querem aprovar essa reforma para dizer que o governo Temer ainda respira”.

A ministra do Tribunal Superior do Trabalho Delaíde Alves Miranda Arantes, que tem se destacado na denúncia dos prejuízos que a reforma trabalhista, foi uma das participantes da reunião. Ela elogiou a tenacidade da bancada de Oposição na resistência às investidas do governo contra os direitos dos trabalhadores.

Os representantes das entidades, que continuarão tentando ganhar o voto dos senadores indecisos até o último minuto, acreditam que a manifestação da Organização Internacional do Trabalho (OIT) condenando diversos pontos da reforma será mais um reforço no trabalho de convencimento.

Leia mais:
Senadores petistas convocam vigília para pressionar contra a reforma trabalhista
OIT condena Reforma Trabalhista brasileira
Reforma é uma bomba contra direitos dos trabalhadores

Leia também