Preconceito de classe

Senadores criticam preconceito de Guedes contra trabalho doméstico

Paulo Guedes afirmou que câmbio a R$ 1,80 era “uma festa danada” porque até empregadas domésticas viajavam para a Disney
:: Rafael Noronha13 de fevereiro de 2020 11:48

Senadores criticam preconceito de Guedes contra trabalho doméstico

:: Rafael Noronha13 de fevereiro de 2020

Os senadores da bancada do PT rebateram o discurso impregnado de preconceito de classe proferido pelo ministro da Economia de Bolsonaro, Paulo Guedes, na noite da última quarta-feira (12).

“O ódio da elite brasileira contra o PT sempre foi esse, de ver o pobre no aeroporto, ver o filho do pedreiro na universidade e a empregada comprando carro e casa própria. A fala do ex-banqueiro Guedes é somente a síntese do pensamento deste governo neofascista e neoliberal. Tem um milhão de pessoas na fila do Bolsa Família, milhares na [fila] do INSS, os pobres nordestinos sem água para matar a sede, e se tornou um desaforo a empregada doméstica ir para Disney para Guedes”, reagiu o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE).

Em pronunciamento feito no Seminário de Abertura do Ano Legislativo da Revista Voto, Guedes disse que o dólar alto “é bom para todo mundo” e que em outros tempos, quando a economia brasileira estava melhor e o real mais valorizado, era uma “festa danada”, pois empregadas domésticas iam à Disneylândia.

“Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Vamos importar menos, fazer substituição de importações, turismo. [Era] todo mundo indo para a Disneylândia, empregada doméstica indo para a Disneylândia, uma festa danada”, disparou.

“Parece brincadeira, mas é o pensamento dele e de tantos outros que fazem esse governo. O pior é que alguns defensores estão dizendo que o ministro não falou bobagem novamente”, criticou o senador Humberto Costa (PT-PE).

Já o senador Paulo Rocha (PT-PA) questionou se as trabalhadoras domésticas não têm o direito de viajar para onde quiserem, inclusive, para o exterior. “Empregada doméstica então não pode ir para a Disney? É esse governo que não quer o povo pobre no exterior que você apoia? ”, questionou.

O senador Paulo Paim (PT-RS) lembrou que esse não foi o primeiro ataque de Paulo Guedes aos trabalhadores. Recentemente o ministro da Economia se referiu aos servidores públicos como “parasitas”.

“Crueldade, discriminação do governo. Não há compaixão, humanidade. Desqualificam as domésticas, servidores são ‘parasitas’, atacam trabalhadores. O Brasil é uma senzala? ”, indagou.

O ex-presidente Lula também se manifestou afirmando que a fala de Paulo Guedes demonstra que parte da elite econômica não suporta a ascensão social dos mais pobres.

“É triste, e muita gente acha que exagero quando digo isso. Mas essa gente não suporta nem a ascensão social dos mais pobres, nem o desenvolvimento soberano do Brasil”, lamentou.

Leia também