Defesa da Democracia

Senadores reagem após novo ataque de Bolsonaro à democracia

Bancada do PT no Senado critica ataque a democracia promovido por Bolsonaro. Presidente participou de manifestação em defesa de um novo golpe militar
:: Rafael Noronha20 de abril de 2020 10:58

Senadores reagem após novo ataque de Bolsonaro à democracia

:: Rafael Noronha20 de abril de 2020

A bancada do PT no Senado reagiu ao ataque promovido por Jair Bolsonaro nesse domingo ao participar de manifestação em frente ao Quartel-General do Exército em Brasília. Na pauta dos manifestantes estavam o fechamento do Supremo Tribunal Federal, do Congresso Nacional e a volta da ditadura militar.

“Bolsonaro orquestra uma manifestação criminosa que diante de uma pandemia atenta contra a vida dos brasileiros. O ato é em defesa do AI-5 e Bolsonaro diz ‘farei tudo o que for necessário’. O mesmo AI-5 do filho [Eduardo Bolsonaro] e do Gal. Heleno. Agora, estamos todos unidos pela democracia e pelo Brasil”, disse o senador Rogério Carvalho (SE), líder do PT no Senado.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH), senador Paulo Paim (PT-RS), afirmou que o Brasil, em meio a pandemia, necessita de “bons exemplos” e não de “incitação ao ódio”.

“O país necessita de comando, unidade e bons exemplos para combater a pandemia, assim como o mundo está fazendo. É inaceitável que o Presidente compareça a um ato público que ataca a democracia e as instituições. Basta de incitação ao ódio. É preciso governar e salvar vidas”, afirmou.

Na avaliação do senador Jean Paul Prates (PT-RN), o momento atual cobra a tomada de providências por parte das instituições como forma de salvar a democracia “antes que seja tarde demais”.

“Como dizem os ingleses, ENOUGH IS ENOUGH. Hora de providências. Salvar a democracia antes que seja tarde. Chega de levar na boa e tentar compor. A situação é muito grave. STF, Senado Federal, Câmara dos Deputados. Pandemia e conspiração não combinam”, apontou.

Jair Bolsonaro passou de todos os limites, de acordo com o senador Humberto Costa (PT-PE). Para ele, o governo Bolsonaro “de fato já acabou” e destaca as imagens da manifestação em defesa do autoritarismo no qual Bolsonaro “fala para uma minoria”.

“Bolsonaro passou de todos os limites. Desrespeita as vítimas de COVID-19, ataca a democracia e comete crime de responsabilidade. Nenhuma imagem é mais emblemática: fala para uma minoria, fraco, sem voz, escorado por seguranças. É o retrato de seu governo, que de fato já acabou”, destacou.

Já o senador Paulo Rocha (PT-PA) afirmou que a ida de Bolsonaro a manifestação, incentivando uma aglomeração em meio a uma pandemia, é “uma das cenas mais absurdas da história deste País”.

“Assistimos hoje algumas das cenas mais absurdas da história deste país. Um presidente da República em uma manifestação pró-golpe militar, incentivando aglomerações quando o país tenta controlar uma tragédia sem precedentes na saúde pública. O verme se tornou pior do que o vírus”, criticou.

 

Leia também