Viana rebate mentiras sobre gastos da Copa do Mundo

Viana: Não tem dinheiro do governo federal na construção de estádios. Tem financiamento que vai terá de ser pago aos bancos federais. Essa é a verdade dos númerosO senador Jorge Viana (PT-AC) relatou, nesta quarta-feira (11), dados concretos que desmistificam notícias fantasiosas que vêm sendo espalhadas por parte da imprensa acerca dos gastos governamentais com a Copa do Mundo de 2014. Além disso, o petista classificou como inaceitável o fato de alguns cidadãos, no momento em que vamos sediar um dos maiores eventos esportivos do planeta, torça para que tudo errado com a organização da Copa no Brasil.

:: Da redação11 de junho de 2014 20:07

Viana rebate mentiras sobre gastos da Copa do Mundo

:: Da redação11 de junho de 2014

“Querer tirar a paixão do brasileiro pelo futebol, querer diminuir o nosso País, eu acho que é trabalhar contra”, disse. “Há pessoas no Brasil que parecem não ter nenhum amor pelo nosso País, que parecem torcer para que o Brasil dê errado sempre. Parecem querer a desgraça do País. Isso não dá para aceitar”, emendou.

Uma delas, é que o governo federal tem gasto mais dinheiro com a construção das arenas do que com saúde e educação. Viana apontou que, no ano de 2010, somente nas áreas de educação e saúde, o Brasil gastou R$ 825 bilhões. No entanto, os estádios estão custando R$ 8 bilhões. Destes, R$ 4 bilhões são financiamentos que deverão ser pagos.

“Dos R$ 8 bilhões de reais destinados aos estádios, R$ 4 bilhões são recursos dos governos dos estados, dos municípios e do setor privado, e outros R$ 4 bilhões são financiados com a intermediação do Governo Federal. Não tem dinheiro do governo federal na construção de estádios. Tem financiamento que vai terá de ser pago aos bancos federais. Essa é a verdade dos números”, disse.

O senador também destacou que, os investimentos voltados para a Copa do Mundo, não se limitam apenas a construção de arenas. Foram gastos R$ 200 milhões no setor de turismo, R$ 600 milhões para portos, R$ 6 bilhões para aeroportos, R$ 1,9 bilhão para segurança, R$ 400 milhões para telecomunicações e R$ 8 bilhões para mobilidade urbana. “Esse dinheiro gasto, vai desaparecer depois da Copa do Mundo? Não. São R$ 17 bilhões que estão sendo gastos, vinculados à Copa do Mundo, que vão ficar nas cidades, vão ficar como um legado da Copa”, enfatizou.

Além disso, o senador petista parabenizou o governo federal pela iniciativa de garantir 50 mil ingressos para pessoas de baixa renda, como beneficiários do Bolsa Família e populações indígenas, que terão a oportunidade de assistir aos jogos do Mundial. O senador aproveitou para lamentar o fato de a imprensa, em sua maioria, preferir dar enfoque em manchetes negativas acerca da Copa do Mundo.

“Isso é importante dizer. Isso não é notícia. Isso não pode ser divulgado, porque, se divulgar, é um gesto muito generoso do País. Tem-se de divulgar que ainda há um pouco de entulho a 300 metros de um estádio. Isso é notícia, como eu tenho lido, diariamente, nos sites”, apontou.

Viana também se mostrou solidário ao governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. Para o senador, não se justificam os ataques ao governador da capital do País por conta dos gastos com a reforma do Estádio Nacional Mané Garrincha.
De acordo com o senador petista, o antigo estádio tinha 36 anos de uso e, durante esse período, recebeu cerca de 340 mil pessoas. Já a nova arena, desde a sua inauguração, recebeu 655 mil pessoas.

“Ficam atacando o governador, por conta de ter mudado o estádio e ficam dizendo que é um elefante branco. Então, gente, não é bem assim. As coisas podem ser debatidas”, pontuou.

Leia também