reforma ministerial

Bolsonaro amplia ministérios para evitar impeachment

Presidente prometeu durante a campanha ter governo com apenas 15 ministérios, mas ignora milhões de desempregados e decide recriar ministério do Emprego apenas para acomodar Centrão e evitar o impeachment
:: Rafael Noronha29 de julho de 2021 12:53

Bolsonaro amplia ministérios para evitar impeachment

:: Rafael Noronha29 de julho de 2021

Bolsonaro tem se especializado em descumprir as promessas feitas por ele mesmo na campanha que o levou à Presidência da República. A mais recente prova do desdém de Bolsonaro com a população e suas promessas é o recente anúncio de recriação do Ministério do Trabalho, agora como Ministério do Emprego.

Com uma taxa de desemprego de 14,7% no trimestre fechado em abril, 0,4 ponto percentual acima do trimestre anterior, encerrado em janeiro (14,2%), a recriação da Pasta se justificaria se a preocupação de Bolsonaro fosse a taxa recorde de desemprego no País. Mas, o motivo é outro: acomodar o Centrão político para impedir a abertura do processo de impeachment.

“Bolsonaro está criando o Ministério do Emprego, mas não é para combater o desemprego recorde. O novo ministério dará mais de 200 cargos de indicação política e servirá para gerar ‘empregos’ para aliados do Centrão”, criticou o senador Paulo Rocha (PA), líder da bancada do PT.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) classificou como “revoltante” o anúncio da recriação do ministério para manter Onyx Lorenzoni na estrutura ministerial, em detrimento dos 14,8 milhões de desempregados que, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sofrem emprego em meio à pandemia.

“Quase 15 milhões de desempregados e quando o governo resolve recriar o Ministério do Trabalho, extinto pelo próprio Bolsonaro, não é para criar políticas de emprego, mas sim acomodar apadrinhados. Revoltante”, classificou Rogério.

Explosão do número de ministérios
O senador Humberto Costa (PT-PE) destacou outra promessa de Bolsonaro. Durante a campanha, ele afirmou que seu governo teria no máximo 15 ministérios.

“Mas sua gestão começou com 22 ministérios e o número não para de crescer”, afirmou o senador. “Bolsonaro nem disfarça mais. Vendeu a própria alma ao centrão”, completou.

Desde a posse, Bolsonaro recriou o Ministério das Comunicações e nessa quarta-feira (28) editou uma medida provisória para refundar o Ministério do Emprego.

Leia também