Gleisi: desânimo com governo do PMDB explica fracasso de protestos

:: Da redação14 de dezembro de 2015 19:43

Gleisi: desânimo com governo do PMDB explica fracasso de protestos

:: Da redação14 de dezembro de 2015

Segundo uma pesquisa apresentada por Gleisi, apenas 19% dos presentes nas manifestações de domingo (13) acreditam em uma melhoria do governo com Michel Temer à frente da presidênciaAlém da falta de argumentos entre os que defendem o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, também falta apoio popular. As manifestações pró-golpe de domingo são reflexo desta constatação, quando apenas cerca de 80 mil pessoas participaram dos atos pelo País, no domingo (13). De acordo com a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), entre os motivos para a baixa mobilização, está a falta de entusiasmo com um possível governo de Michel Temer. 

Dados apresentadas pela parlamentar mostram que apenas 19% dos presentes nas manifestações acham que haveria melhoria no governo com o atual vice à frente da presidência da República. “[Isso] porque não acreditam que esse programa Ponte Para o Futuro possa realmente trazer soluções aos problemas que nós estamos enfrentando hoje. Então, apenas 19%. Assim como também não há entusiasmo pela oposição”, afirmou a senadora. 

Gleisi acredita que mesmo a oposição não tem uma alternativa para tirar o País da atual situação econômica. “Qual é o projeto que a oposição tem, que vai apresentar e que vai melhorar de fato e com concretude a vida da população? Não vai”, acredita. 

De acordo com o diretor do Data Popular, Renato Meirelles, há uma decepção dos mais pobres com o governo Dilma. No entanto, não há um descontentamento com o projeto político atual. Por isso, segundo Gleisi, a maioria dos brasileiros das classes C, D e E não vem na oposição e nem no PMDB um compromisso de garantir as oportunidades e a prioridade de continuar os avanços conquistados pelos mais pobres. 

“Se o Presidente Temer vier a assumir este governo, com essa Ponte Para o Futuro, o ajuste vai ser pior e vai ser em cima da maioria do povo brasileiro. Não vai ser em cima das classes mais ricas. E o povo, a maioria do povo brasileiro não quer um Estado enxuto. Quer um Estado eficiente, que possa lhe dar oportunidade e condições de vida”, defendeu a senadora petista.

“A presidenta Dilma é uma presidenta que tem apoio popular, porque foi eleita pela população. Tem hoje, claro, uma baixa popularidade, mas tem legitimidade, porque 54 milhões de brasileiros votaram nela. [Dilma] não cometeu nenhum crime contra as leis que temos no País, nem contra a Lei Orçamentária, e é a que tem condições, dentro da legalidade, de continuar com o projeto iniciado pelo presidente Lula”, emendou. 

Mudanças no plano econômico 

A senadora acredita, no entanto, que para dar continuidade ao legado de Lula será necessário fazer revisões no atual plano econômico, especialmente em relação à proteção dos programas sociais. “Cortar Bolsa Família e fazer resultado primário para pagar juro para banco é uma grande inversão social”, disse Gleisi, sobre a possibilidade do Orçamento de 2016 ser votado pelo Congresso Nacional com cortes de cerca de R$ 10 bilhões na maior iniciativa de distribuição de renda do mundo. 

“Vamos parar com este discurso de que o Orçamento precisa ser cortado, que tem gordura, que precisamos restringir os programas sociais, a educação, a saúde, que o salário mínimo não pode ser indexado à inflação. Não é isso que está fazendo com que as contas públicas tenham um descontrole”, disse Gleisi. 

Para ela, o que tem afetado as contas públicas – motivo da discussão dos cortes no Orçamento do ano que vem – é a “perversidade” da atual taxa de juros de 14,25%. “E não venham dizer que a culpa é da presidenta Dilma, porque, quando ela fez uma cruzada para baixar o juro neste País, quando chegamos, pela primeira vez, a um dígito, a 7,25%, não recebemos apoio, principalmente, do setor produtivo brasileiro”, lembrou. 

Leia mais:

Paim reitera que é contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff 

 

Jorge aponta manipulação dos números nas manifestações a favor do impeachment

Leia também