Temer/Aécio

Governo não tem moral para tratar de reformas após denúncias

. “O ideal seria a realização de eleições gerais em todos os níveis. Assim se trocaria também a composição desse Congresso atual”, apontou
:: Rafael Noronha18 de maio de 2017 12:05

Governo não tem moral para tratar de reformas após denúncias

:: Rafael Noronha18 de maio de 2017

O senador Paulo Paim (PT-RS) avaliou, nesta quinta-feira (18), durante um bate papo com os internautas pelo Facebook, que após as denúncias publicadas na noite de ontem envolvendo Michel Temer (PMDB) e Aécio Neves (PSDB-MG) a tramitação das reformas trabalhista e previdenciária ficam completamente inviabilizadas.

“Existem gravações, documentos, entrega de dinheiro envolvendo o presidente numa linha de corrupção mutua, propina para calar a boca do Eduardo Cunha. Ele [Temer] coordenando esse esquema. Esse Congresso [Nacional] tem condições morais para fazer avançar uma reforma trabalhista que rasga a nossa CLT? Nós temos a obrigação de barrar essas duas propostas. Esse Congresso não pode votar mais nada quanto não afastarmos o presidente da República de uma forma ou de outra”, disse o senador.

Na avaliação de Paim, o procedimento ideal para solucionar a grave crise política seria a convocação de eleições diretas para a Presidência da República. “O ideal seria a realização de eleições gerais em todos os níveis. Assim se trocaria também a composição desse Congresso atual”, apontou.

O momento exige, para o senador, a presença constante da população nas ruas cobrando a renúncia de Michel Temer e rápida aprovação de uma proposta de emenda constitucional que viabilize a antecipação das eleições de 2018.

“Precisamos de um governo legítimo o mais rápido possível. Um governo constituído em cima de um projeto de nação apresentado à sociedade. No dia 24, esse Ocupa Brasília precisa ser um encontro de milhares de brasileiros. Mesmo aqueles que não estiverem em Brasília, que façam mobilizações em suas cidades em nome das Diretas Já”, defendeu.

 

Assista a íntegra do Face to Face com o senador Paulo Paim:

 

PARTE 1

 

PARTE 2

Leia também