Paim espera liberação rápida de recursos para municípios gaúchos

Paim: saída é um decreto de emergência para municípios em situação desesperadoraOs estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina estão enfrentando as maiores chuvas em 30 anos e, de acordo com o senador Paulo Paim (PT-RS), das 149 cidades prejudicadas em seu estado, 126 estão em situação de emergência e duas em estado de calamidade pública: Barra do Grarita, na região noroeste do estado e Iraí, ao norte. Cerca de 124 municípios já encaminharam ao Ministério da Integração o pedido de reconhecimento sumário da situação e, com isso, Paim espera a liberação rápida de recursos federais para a reconstrução.

:: Da redação9 de julho de 2014 20:27

Paim espera liberação rápida de recursos para municípios gaúchos

:: Da redação9 de julho de 2014

Em pronunciamento na tribuna do Senado na tarde desta quarta-feira (9), Paim disse que integrantes de seu gabinete parlamentar participaram de uma reunião com o ministro Francisco Teixeira, da Integração, para levar as demandas dos municípios. Estavam presentes o secretário estadual do gabinete dos Prefeitos de Relações Federativas, Jorge Branco e o coordenador da Defesa Civil estadual, coronel Oscar Luiz Moiano. “A saída nesse momento era o decreto legislativo de emergência para os municípios em situação desesperadora. A partir desse decreto os recursos devem ser liberados rapidamente”, disse.

Paim informou que 19 mil pessoas seguem fora de casa. Desses, 17 mil estão desalojados e 1.500 desabrigados. “Muitas escolas interromperam totalmente as aulas; pontes foram levadas pelas águas; a BR-153 está desativada; a produção agrícola foi prejudicada e o povo gaúcho está sofrendo muito”, disse. Paim lamentou a morte de duas pessoas: Eracildo Luiz Assmann, de 56 anos, no município de Arroio do Tigre, e José Lindomar da Silva, de 40 anos.

Estabilidade Garantida

Paim também falou sobre a sanção da Lei Complementar nº 146 de 2014 pela presidenta Dilma Rousseff. Essa lei assegura o direito da estabilidade provisória no trabalho a quem detiver a guarda do filho nos casos em que ocorrer o falecimento da genitora. “É preciso que tenhamos sempre em mente que a licença-maternidade não é apenas um mecanismo de proteção à mãe, mas também de amparo ao recém-nascido. Essa lei veio para garantir que os direitos da mãe, no caso de seu falecimento, sejam estendidos a quem detiver a guarda do menor”, explicou.

Copa

Assim como diversos senadores que ocuparam a tribuna na tarde desta quarta-feira, Paim também lamentou a derrota da seleção brasileira por sete a um para a Alemanha. Ex-jogador das categorias de base do Flamengo e do Juventude de Caxias do Sul, ele lembrou uma frase sempre repetida pelo do ex-jogador Dino Sani: no futebol se empata, se perde e se ganha. “Ontem, todos nós queríamos ganhar. Confesso que algumas lágrimas caíram. Perdemos, mas assim é a vida. Para frente, 2018 vem aí”, afirmou.

O senador refutou a tese que se divulgava antes da Copa de que o resultado dos jogos, especialmente do Brasil, poderia favorecer a candidata à reeleição Dilma Rousseff. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, na sua avaliação, porque esporte é esporte e eleição é eleição. “Por isso o povo saberá escolher bem para governar o País nos próximos quatro anos”, assinalou. 

Leia também