Crise dos combustíveis

Política de preços da Petrobras é contrária ao desenvolvimento

Lindbergh: “A atual política de preços não dialoga com o desenvolvimento nacional. A mudança de direção colocou o capital financeiro no controle da empresa”
:: Rafael Noronha12 de junho de 2018 15:35

Política de preços da Petrobras é contrária ao desenvolvimento

:: Rafael Noronha12 de junho de 2018

A alta dos combustíveis, a pressão dos caminhoneiros para mudar a política de preços, o lucro excedente da Petrobras e o monopólio da estatal no setor foram alvos de críticas, nesta terça-feira (12), durante audiência pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos (CDH).

“A atual política de preços não dialoga com o desenvolvimento nacional. A Petrobras foi cooptada. A mudança de direção colocou o capital financeiro no controle da empresa”, disse o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ). Ele defendeu a abertura das contas da empresa para saber a margem de lucro da estatal para justificar os preços praticados.

Paulo Cesar de Lima, consultor jurídico aposentado da Câmara dos Deputados, apresentou estudo no qual mostra que a Petrobras tem praticado preços acima da média do mercado internacional em praticamente todos os combustíveis.

Para ele, houve uma decisão tecnicamente “insana” por parte da gestão Pedro Parente. Isso fez o brasileiro pagar sempre um valor mais alto do que o praticado no mercado internacional.

“Sempre vai se pegar o preço do mercado internacional, somar um custo de internação e ainda adicionar uma margem de risco. Essa é a realidade do nosso País. Na gestão Parente, a Petrobras praticou preços acima do mercado internacional. O povo precisa saber que, sem considerar tributos, na gestão Pedro Parente, a população pagou pelo diesel 40% a mais do que o consumidor norte-americano”, explicou.

Já o gerente geral de Marketing da Petrobras, Flávio Santos Tojal, atribuiu a alta dos preços à cadeia de produção e distribuição do álcool e do biodiesel. Segundo ele, como os únicos produtos puros fornecidos pela Petrobras são gasolina e diesel. Os demais combustíveis são fruto da adição de componentes realizado pelas distribuidoras, o que influencia no preço final.

“Do valor de comercialização, 55% se refere à parcela que cabe à Petrobras nos custos como matéria-prima e produção. Ou seja, hoje, o combustível que sai da estatal a R$ 2,03 chega na bomba por praticamente o dobro”, explicou.

Tojal também destacou o peso dos impostos no preço final dos combustíveis. Segundo ele, dos R$ 250 que o brasileiro gasta, em média, para encher o tanque de um carro popular, R$ 107,00 são tributos. Já dos R$ 4 mil, em média, pagos pelos caminhoneiros para completar um tanque de mil litros de diesel, a Petrobras fica com aproximadamente R$ 2 mil, enquanto os outros R$ 2 mil são impostos.

“É o mesmo que acontece com o botijão de gás. Ele custa, em média, R$ 22,00 para a Petrobras, mas é revendido ao preço médio de R$ 77,00”, informou.

O secretário da Frente de Defesa da Soberania Nacional, Samuel Gomes dos Santos, considerou injustificável os lucros da Petrobras girarem em torno de 150%. Segundo Samuel, somente após a greve dos caminhoneiros, a companhia baixou essa margem para 126%, ainda assim algo inadmissível.

“Por que a Petrobras mantém esses lucros tão absurdos? É preciso mediar isso e usar de maneira racional esse bem’, ponderou.

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Decio Oddone, disse que a agência trabalha com as políticas determinadas pelo governo em consonância com a legislação vigente. Ele ressaltou que atualmente os preços dos derivados do petróleo são determinados pelo mercado, e interferências não teriam embasamento legal.

Oddone ressaltou que Estados Unidos e Canadá praticam a competição aberta, onde a competitividade determina esses valores. No modelo europeu, segundo ele, são os impostos que balizam os preços quando há variação nas refinarias, resultado do aumento do petróleo, por exemplo. No caso do Brasil, o diretor apontou que é o ICMS – de responsabilidade dos estados – quem interfere diretamente no preço cobrado nas bombas.

“Temos uma competição imperfeita no nosso modelo porque a Petrobras retém 98% da capacidade de refino. Uma empresa que, embora estatal, tem mais de 50% de ações nas mãos de investidores privados e atividades voltadas a maximizar o lucro dos acionistas”, esclareceu Oddone. Segundo ele, não deve haver mudanças em curto prazo na política de preços da empresa, porque até a carga tributária no Brasil demorará para ser alterada.

Já o senador Jorge Viana (PT-AC) afirmou que a atual situação do País e a política de preços adotada pela Petrobras é fruto de um golpe. O mesmo golpe o que retirou a presidenta Dilma do poder para um grupo político adotar medidas impopulares.

“Eles [governistas] estão sem autorização do povo brasileiro. Como consequência de uma atitude irresponsável, pela ruptura da democracia sem passar pelas urnas, se chega ao poder e adota medidas lesa-pátria. Sugiro, inclusive, a troca do nome da ANP para Agência Nacional das Petroleiras Internacionais. Por que a ANP não apertou um botão vermelho e alertou que o Brasil iria explodir com o Brasil dando 225 aumentos no preço do óleo diesel em dois anos? Isso é uma provocação com o povo brasileiro”, salientou.

 

Leia mais:

Novo presidente da Petrobras é mais do mesmo

Gleisi explica, em artigo, “quem quebrou a Petrobras”

Parente cai e senadores exigem Petrobras para os brasileiros

Leia também